A horta lá de casa


Uma das coisas a que mais dou valor é ter sempre em casa frutas e vegetais frescos e biológicos. 

Todas as semanas encomendo um cabaz biológico de um produtor local certificado, que me enche a cozinha de legumes frescos e saborosos. Há poucas semanas descobri o Poiso da Abelha, e estou a adorar os cabazes que me trazem todas as terças-feiras à noite. É sempre uma alegria cá em casa quando lhes abro a porta! :)



Adicionalmente, faço as minhas compras diárias em mercados ou lojas onde sei que vou encontrar produtos locais, frescos, biológicos e de qualidade.

Se não vivesse numa grande cidade, o meu desejo seria ter uma pequena horta, onde pudesse cultivar os meus próprios alimentos. Ter o prazer de semear e ver crescer, e levar para a cozinha alimentos colhidos por mim... Enquanto fantasio com a minha horta do futuro, descubro que já existem opções muito práticas para aqueles que, como eu, querem trazer um bocadinho do campo para a cidade, e ter uma horta em casa.

E foi assim que a Life in a Bag entrou na minha vida, e que tive a minha primeira e bem sucedida experiência com os microvegetais.





Para quem não conhece, a Life in a Bag oferece produtos que permitem criar uma horta de ervas aromáticas e microvegetais biológicos dentro de casa. Combinam natureza, design e originalidade, o que se pode comprovar pelas embalagens, que são acima de tudo uma peça que dá um toque original a qualquer cozinha. (Ficam lindos na minha!)



A experiência com os microvegetais de rabanete, gentilmente oferecidos pela Life in a Bag, correu muito bem, e não teve qualquer dificuldade. Foi muito simples e divertido acompanhar a sua evolução diária.



Passados onze dias, este é o resultado:




Agora, só falta pensar numa receita à altura para os meus microvegetais de rabanete!

World Food Day

Hoje, um pouco por todo o mundo, comemora-se o Dia da Alimentação.

Este ano o tema escolhido alerta para a importância que a alimentação que fazemos tem nas nossas vidas. "Healthy people depend on healthy food systems"




É, na minha opinião, um bom dia para rever as escolhas alimentares que fazemos diariamente, e para trazermos algumas mudanças para as nossas vidas. Por mais pequenas que essas mudanças possam parecer, terão um impacto positivo na nossa saúde e no nosso bem-estar.

Comprar produtos frescos e locais, preferencialmente biológicos.
Uma vez por mês, comprar uma fruta ou um legume que nunca tenha experimentado.
Evitar os alimentos processados e os geneticamente modificados.
Adotar em casa as 2ªs Sem Carne.
Evitar ou eliminar o consumo de produtos de origem animal.
Ler os rótulos das embalagens, e pesquisar os benefícios/malefícios dos ingredientes listados.
Saborear bem cada refeição, mastigando devagar os alimentos (sólidos e líquidos).
Abusar das frutas e vegetais.





Para além da questão da nossa saúde, é igualmente importante pensar no impacto que algumas mudanças alimentares irão ter na vida dos outros.

Ao adotar uma alimentação sustentável, livre de produtos de origem animal, além de salvar a vida de cerca de 100 animais por ano, salvamos também aqueles que hoje não estão a festejar... A indústria da carne gasta na sua produção incontáveis toneladas de alimentos que poderiam servir para alimentar aqueles que precisam. Com este passo, estamos assim a contribuir para a diminuição da fome no mundo.



Para quem procura inspiração e informação, deixo-vos o trailer do filme-documentário Forks Over Knives





Happy World Food Day!

Viagem inspiradora ao mundo vegan


Há duas semanas foi-me pedido pela SAPO Saúde que escrevesse um artigo sobre a alimentação vegan e os seus benefícios na saúde.

Nesse mesmo dia, sentei-me no sofá, ao lado da Khaleesi (o meu amor de quatro patas) e abri uma folha word em branco. Comecei e recomecei a primeira frase. Quando dei por mim, as palavras saiam de forma incontrolável. Não me podia alongar muito, pelo que tentei resumir os pontos que para mim eram mais importantes.
Enquanto escrevia sobre os benefícios que um estilo de vida vegan trazem à nossa saúde, apeteceu-me desenvolver a questão ética ligada ao veganismo. Afinal de contas, foi por este motivo que decidi entrar nesta viagem inspiradora. Mas tive de me ficar só pelo pensamento, e cingir-me ao título do artigo. Ficará para outra altura, pensei eu.
 ...

É engraçado relembrar que quando me tornei vegan estava longe de imaginar o impacto que esta mudança teria na minha vida. A mudança que teria em mim, e o impacto que teria nos outros.

Na altura, bastou-me ver um único filme-documentário, mostrado pela Inês, minha irmã do meio, para tomar a decisão. Earthlings foi o bilhete de entrada nesta viagem, que hoje é a minha vida. Lembro-me como se fosse hoje do que chorei, ao perceber toda a crueldade que existia à minha volta, e da qual eu fazia parte. Lembro-me do que chorei, por ter vivido 25 anos...sem nunca me ter interrogado. Lembro-me do que chorei, de felicidade, pela oportunidade que tinha em optar pelo certo. Pela oportunidade de ser eu mesma a mudança que queria ver no mundo.

Foi forte, bastante forte, o impacto que o filme teve em mim. Depois desse, seguiram-se tantos outros, que só vieram confirmar e amadurecer a minha decisão. Não foi por isso muito difícil abandonar, de uma vez só, todos os alimentos de origem animal da minha alimentação. A força de vontade já tinha. Exigiu apenas muitas horas de leitura, para perceber como eliminar da minha vida tudo o que causasse algum tipo de sofrimento animal.

Tem sido uma aprendizagem constante. E uma lição. Uma grande lição de vida.

Para dar uma ideia geral das minhas opções alimentares anteriores, a minha carne preferida era um "bom" bife de vaca mal passado (sim!), era apreciadora de queijos, não resistia a um bolo sempre que entrava numa pastelaria, e era viciada nos hamburguers do McDonald's. A minha paixão mais recente era o sushi. Ao pequeno almoço, bebia sempre um copo de leite com café, seguido de uma fatia de pão torrado com manteiga, queijo e fiambre...

Com as frutas e vegetais, a minha relação era fraca, dava-lhes muito pouca atenção. Uma peça de fruta por dia (talvez!) e uma salada de alface e cebola a acompanhar as refeições.

Ainda assim, não foi difícil mudar os meus hábitos alimentares. Talvez um pouco, no início, devido à minha paixão (leia-se: vício) por doces. Até que descobri que podia fazer bolos deliciosos sem qualquer ingrediente de origem animal. E muito mais saudáveis.

A verdade é que descobri um mundo novo de possibilidades à minha volta. Experimentei vegetais, legumes, frutas, sementes, que nunca tinha sequer provado. E viciei-me, viciei-me nesta alimentação. Viva, colorida, saudável.

Depois de superado o tema da alimentação, comecei a pesquisar alternativas a tudo aquilo que usava que causava sofrimento animal. Maquilhagem, produtos de higiene e de limpeza, calçado, vestuário... enfim, um número infindável de artigos que nem fazia ideia que continham ingredientes de origem animal, ou que eram testados em animais.

...

Podia ficar aqui horas a escrever sobre a mudança e o impacto positivo que o veganismo trouxe à minha vida. Sobre a mudança na minha saúde e condição física. A mudança na forma como hoje vejo o mundo. A mudança no meu humor, na minha vitalidade, na minha memória. A compaixão que sinto por todos os seres vivos. O prazer que tenho em encher a minha cozinha de frutas e legumes frescos e biológicos, todos os dias. O prazer que tenho a cozinhar, e que resultou na criação do projeto A Cozinha Verde. A vontade que tenho de partilhar com todos vocês esta minha paixão, de vos mostrar como é fácil vivermos uma vida plena, respeitando todos os seres vivos.

Passei 25 anos da minha vida sem saber a minha vocação/paixão. Sem encontrar a minha missão, o sentido da minha vida, a razão para a minha existência.

Esta viagem inspiradora ao mundo vegan abriu-me os olhos e mostrou-me o caminho. Uma viagem só de ida, sem regresso à vida sem vida que antes levava.

Tenho que te agradecer a ti, Inês, por me teres mostrado o caminho...



Deixo aqui o link para o artigo que escrevi naquele dia para a SAPO Saúde, sobre os benefícios da alimentação vegan na saúde: http://saude.sapo.pt/peso-nutricao/a-alimentacao-vegan-e-os-seus-beneficios-na-saude.html/?force_cache=1&fb_source=message

Este post é a continuação do mesmo, caso pudesse ter-me excedido nas palavras.

Boa noite,

Filipa