A cozinha é o centro da casa | Risotto de Cogumelos Marron e Cebola Caramelizada




Adoro todo o tempo que passo na cozinha. Adoro os meus tachos, a minha loiça e todos os utensílios que fazem parte dela. Dá-me prazer lá estar, absorver todos os cheiros e cores daquilo que crio. Para mim, a cozinha é terapêutica. Melhor do que qualquer aula de ioga que possa frequentar. Às vezes ponho uma música que me agrade e perco a noção do tempo. Outras vezes, a única música que oiço vem do corte dos legumes frescos, da cebola a estalar com o azeite, do caldo a fervilhar, do forno a apitar. É um sem número de emoções, de cores, cheiros e texturas, que a enchem de histórias para contar.
A cozinha é o centro da casa. É a sua alma e identidade, e mostra muito de nós, sem sequer nos apercebermos. Toda a minha personalidade, toda a minha essência, está refletida no interior daquelas quatro paredes.


A receita de hoje é daquelas que exigem o nosso tempo, a nossa atenção e dedicação. É daquelas que nos trazem histórias para contar. É daquelas em que o resultado final faz sentir que valeu a pena todo o tempo que lhe dedicámos. É daquelas que queremos partilhar...

Risotto de Cogumelos Marron e Cebola Caramelizada
(Serve 2 a 4 pessoas)
Tempo de preparação: 60 minutos

Ingredientes
2 Cebolas grandes
Azeite Extra Virgem
3 dentes de Alho, esmagados e picados
450 gramas de Cogumelos Marron, lavados e fatiados
2 folhas de Louro
1 chávena de Arroz para Risotto
1 colher de sopa de Vinagre Balsâmico
3 chávenas de Caldo de Legumes
1 colher de chá de Sal Marinho fino
Pimenta Preta moída na hora, a gosto
1 colher de sopa cheia de Manteiga Vegetal


Preparação:

Faça o caldo de legumes com antecedência. Leve a cozer numa panela de grande dimensão legumes da sua preferência (picados) com um pouco de sal e várias ervas aromáticas para intensificar o sabor. Por exemplo, pode usar cenoura, cebola, alho, alho francês, aipo, e ervas aromáticas como salsa, coentros, tomilho e manjericão. Reserve a água da sua cozedura e tem o caldo pronto.
No entanto, se estiver sem tempo, pode dissolver em três chávenas de água a ferver um caldo em cubo. Não é tão saudável, mas o resultado será idêntico.

Picar uma cebola grande. Num tacho (preferencialmente largo e pouco fundo), aquecer em lume médio uma colher de sopa de azeite extra virgem. Juntar a cebola picada e cozinhar cerca de 5 minutos, mexendo com frequência. Juntar o alho e cozinhar em lume médio-baixo aproximadamente mais 8 minutos. Reduzir a temperatura se necessário, para não deixar queimar.

Aumentar o lume para médio-alto e juntar os cogumelos marron. Cozinhar entre 5 a 10 minutos, até estes se apresentarem macios.


Juntar o louro e temperar com o sal marinho e com a pimenta preta a gosto. Mexer bem e cozinhar por 2 minutos.

Juntar o arroz e o vinagre balsâmico e mexer. De seguida, deitar o caldo de legumes, gradualmente, à medida que vai cozinhando e absorvendo o caldo. (Atenção, poderá ter de ajustar a quantidade de caldo dependendo do tipo de grão que estiver a usar.) Cobrir o tacho com uma tampa, e ir mexendo o arroz com frequência, reduzindo o lume sempre que necessário para que este não agarre ao fundo do tacho. Sempre que o arroz absorver o caldo, junte mais um pouco, e assim sucessivamente, até o arroz cozer. O tempo de cozedura é aproximadamente de 20 a 25 minutos.

Entretanto, faça a cebola caramelizada. Aqueça 3 colheres de sopa de azeite extra virgem numa frigideira. Corte uma cebola grande ao meio e depois corte-a em finas meias luas. Junte-as ao azeite e tempere-as generosamente com sal marinho fino. Cozinhe em lume baixo, mexendo ocasionalmente, até que a cebola apresente uma cor dourada, aproximadamente entre 20 a 30 minutos. Não se distraia nesta fase, acompanhe de perto, para não queimar.

Quando o risotto estiver pronto, desligue o lume, retire as folhas de louro e deite uma colher cheia de manteiga vegetal. Envolva com cuidado até se dissolver no risotto.

Distribua o risotto por dois pratos fundos e distribua por cima de cada um a cebola caramelizada e pimenta preta moída na hora a gosto.

Sirva de imediato.


Notas
1. Certifique-se de que vai juntando o caldo de legumes devagar e gradualmente, à medida que o arroz vai absorvendo o líquido.

2. Este prato é bastante demorado, mas se o fizer com outra pessoa, além de ser mais rápido, poderá também ser bastante divertido. Ponham uma música ambiente, encham um copo com um bom vinho e descubram juntos o prazer de cozinhar.

Detoxing | O meu plano detox de quatro semanas



Após os excessos cometidos no final do ano, o início do novo ano é a altura mais escolhida para fazer um detox. A detoxificação, ou detox, é uma ténica de nutrição funcional cujo objetivo é ajudar o organismo a eliminar toxinas e outras substâncias prejudiciais à saúde.

Principais benefícios do detox

1. Desintoxica o organismo, fazendo com que as substâncias tóxicas sejam transformadas pelo fígado e eliminadas pelo intestino.

2. Reduz o inchaço corporal, eliminando líquidos e fluídos acumulados nos tecidos.

3. Melhora o funcionamento e a comunicação entre as células, elimina substâncias inflamatórias e restabelece o equilíbrio metabólico, promovendo a perda de peso.

4. Acelera o metabolismo, através da melhor absorção intestinal dos nutrientes, e proporciona mais energia, aumentando o gasto de calorias.

5. Traz mais vigor e disposição ao corpo, aumentando o bem-estar em geral.


Seja com um plano de detox de 3 dias ou quatro semanas (como o que proponho), é certo que vai sentir na pele os benefícios de uma dieta à base de frutas e vegetais. O detox vai ajudá-lo a reconectar-se com o seu corpo, melhorando o seu sistema imunitário, eliminando toxinas e proporcionando uma pausa ao seu sistema digestivo. Se o seu objetivo passa também por perder alguns quilos, esta é uma excelente opção.

A vantagem adicional do detox é o efeito positivo sobre o nosso estado de espírito e o aumento de energia que proporciona!

O meu plano detox de quatro semanas



Como sabem, a minha alimentação já é maioritariamente feita à base de frutas e vegetais. Contudo, não é por fazer uma alimentação vegan que deixo de cometer alguns excessos de vez em quando.
O açúcar, o café, o arroz e massa não integral, o pão, o álcool, entre outros, são exemplos de produtos que não trazem quaisquer benefícios ao meu organismo.
Em dias de festa ou alturas especiais, é difícil dizer que não a um snack salgado, a um copo de vinho ou a um bolo (ainda que vegan) cheio de calorias. Ou quando o tempo escasseia ou a preguiça para cozinhar aparece, uma refeição rápida à base de alimentos processados parece ser a melhor opção.

Por isso, como qualquer outra pessoa, também cometo os meus excessos (sabiam que as Oreo são vegan, não sabiam?). Ora bem, o que eu quero dizer com isto é que fazer uma alimentação que exclua todos os produtos de origem animal, embora sendo logo à partida mais saudável do que uma alimentação omnívora, não significa necessariamente que seja "perfeita".
Existe muita junk food vegan, e ainda bem que não estamos nos EUA, onde a comida processada vegan tem uma oferta muitíssimo alargada.

O ideal (para mim) seria fazer uma alimentação única e exclusivamente à base do que a Terra nos dá. A comida processada, além de nos trazer poucas vantagens (ou mesmo nenhumas) a nível nutricional, interfere com a nossa pele, com a nossa saúde e estado de espírito, e oferece muitas vezes uns quilos extra ao nosso corpo.

Por este motivo, decidi aproveitar o mês de Fevereiro para fazer um detox de quatro semanas, e assim restabelecer a energia e vitalidade do meu organismo, eliminando "tudo o que está a mais".



E agora, como fazer um detox suave?

Existem inúmeros planos de detox disponíveis e muitas teorias em redor deste tema. Optei por fazer um detox suave, com três refeições principais diárias, sendo duas delas líquidas e uma sólida. Considero de extrema importância comer várias vezes ao dia. De três em três horas, assim como já faço habitualmente, farei uma pausa para um "snack", tendo em atenção os princípios do detox.

Seleccionei alguns pontos principais para fazer um detox suave, princípios estes que irei usar no meu plano de quatro semanas. São eles:

1. Escolher comida simples e saudável, com uma grande quantidade de frutas e legumes frescos.

2. Fazer exercício físico todos os dias. Caminhadas e trocar o elevador pelas escadas são sempre boas opções para quem não tem "tempo" para o ginásio.

3. Beber muita água ao longo do dia para ajudar a eliminar toxinas.

4. Incluir nas refeições muitos alimentos ricos em vitamina C.

5. Dormir bem, cerca de 8 horas todas as noites, para ajudar a repor a energia gasta durante o dia.

6. Manter-se afastado de alimentos processados, glúten, café, álcool, tabaco, açúcares refinados, gorduras saturadas, e claro, de todos os alimentos de origem animal (carne, peixe, lacticínios, ovos).

7. Incluir sempre que possível nas refeições alho, gengibre, couves, brócolos, beterraba, quinoa, arroz integral, agrião, limão, laranja, frutos vermelhos, água de côco, frutos secos, sementes, chá verde, espinafres, cenoura, alcachofra, algas, miso e abacate, sendo estes alimentos eficazes no processo de desintoxicação do organismo.

8. E por último, relaxar. Dedicar todos os dias uns minutos para meditar, ao som de uma música calma, num espaço que nos traga tranquilidade. E principalmente, aproveitar. Aproveitar e desfrutar esta experiência e sentir no corpo e na alma todos os benefícios que nos está a proporcionar.




Ao longo do mês vou partilhar com vocês a minha experiência e alimentação, com várias dicas e receitas de detox, para poderem experimentar em casa.

Atenção, é de extrema importância conhecer bem o nosso corpo antes de iniciar um detox. No meu caso, esta não será uma "dieta" radical, sendo que o meu corpo já se habituou a receber apenas alimentos vegetais. As frutas e vegetais frescos (não processados) representam cerca de 80% da minha alimentação diária. Ainda assim, sei que o detox terá um efeito positivo no meu organismo e que sentirei diferenças. Só o simples facto de eliminar todos os alimentos processados e industrializados, como o açúcar, as farinhas, os enlatados, o café, o pão, as bolachas, os leites e iogurtes vegetais embalados, entre outros, irá obrigatoriamente trazer mudanças ao meu corpo, que vai eliminar todas as toxinas provenientes desses alimentos.

Por isso, façam-no apenas se se sentirem seguros o suficiente com o vosso corpo e com a forma como ele poderá reagir. Para quem habitualmente faz uma alimentação omnívora, é importante que este processo leve algum tempo de habituação. O primeiro passo passa por incluir primeiro mais frutas e vegetais no vosso dia a dia. Embora o meu caso seja diferente, sendo que passei de uma dieta omnívora para uma alimentação vegan do dia para a noite, sem sentir efeitos negativos no meu corpo, há pessoas que levam mais tempo a habituar-se a mudanças "radicais" na alimentação.

O meu conselho é apenas um: escutem o vosso corpo.



Nesta última semana de Janeiro, vou dedicar algum do meu tempo livre a planear as refeições e fazer a lista de compras, para estar preparada e não cair em "tentações". E em relação ao jantar de 14 de Fevereiro...bem esse terá um menu à altura também!

Quanto a vocês, desejo que o meu mês de Fevereiro vos inspire. Seja para fazerem também um plano de detox, ou simplesmente para experimentarem mais algumas receitas deliciosas e saudáveis, acima de tudo quero que se divirtam e que descubram o prazer de uma alimentação 100% vegetal.

Acompanhem o meu plano detox aqui no blog, no facebook e no instagram em #detoxquatrosemanas.

Beijinhos,

Filipa


Bio.Eco.Vegan. #1 {Apresentação + Caring Hand Cream Skin Blossom}




Um 2014 recheado de surpresas...

Este novo ano vai trazer muitas novidades à A Cozinha Verde... Ando ansiosa para poder partilhar com vocês todos os projetos e novidades que estou a desenvolver! Porque afinal, é também por vocês que me dedico de corpo e alma, todos os dias, a fazer deste um Mundo um bocadinho melhor...
Hoje levanto o véu a uma das surpresas! Yeyyyyyy!!!


Apresentação da rubrica Bio.Eco.Vegan.

Hoje dou início a uma rubrica no blog, dedicada a produtos naturais, biológicos, ecológicos e vegan.

O meu objetivo é mostrar-vos que o veganismo não passa só pela alimentação, mas também pela escolha no nosso dia a dia de produtos cruelty-free, sem ingredientes de origem animal e não testados em animais.
Assim, irei mostrar-vos alguns dos produtos que uso diariamente, e que refletem a minha filosofia de vida...

Além da preocupação para com os animais, tenho igualmente preocupação para com a minha saúde e para com a preservação do nosso Planeta. Neste sentido, os produtos que uso obedecem a três importantes factores de escolha: BIOLÓGICO, ECOLÓGICO e VEGAN.

Nesta rubrica, vou mostrar-vos como é fácil ter em consideração estes factores e escolher ótimos produtos, que nos fazem sentir bem e realizados por dentro, por termos consciência de que fizemos a melhor escolha, para nós e para todos os que nos rodeiam... Espero que gostem!!


Escolha uma vida livre de químicos nocivos

Os produtos de higiene pessoal e cosméticos estão carregados de químicos nocivos, que o nosso corpo absorve diariamente. Entre produtos de cosmética e higiene pessoal, uma mulher utiliza, em média, doze produtos, e um homem seis. Agora imaginem o impacto desses químicos no corpo, todos os dias do ano...

Muitas vezes esquecemos que a pele constitui o maior órgão do corpo humano. É um tecido vivo, que respira, que nos defende das agressões externas e que absorve mais de metade do que nela colocamos, entrando na nossa circulação sanguínea. Os químicos sintéticos utilizados na maioria dos cosméticos, ao serem absorvidos, não são reconhecidos pelo nosso organismo. O nosso corpo vai então tentar eliminá-los, sobrecarregando os órgãos que desempenham esta função, como é o caso do fígado. No entanto, muitas destas substâncias permanecem no organismo, intoxicando-o, provocando distúrbios químicos e efeitos mutagénicos.

Eis alguns dos ingredientes a evitar na hora de escolher produtos que irão estar em contacto com a nossa pele: Ftalatos, Parabenos, Chumbo e outros metais pesados, Formaldeído e Fragrância sintética. Ao longo desta rubrica, irei falar mais detalhadamente destes e de outros químicos e do impacto que têm no nosso corpo e na nossa saúde.


Caring Hand Cream Skin Blossom


Para começar, escolhi um produto que faz parte do dia a dia da maior parte de nós...o creme para mãos!

O creme para mãos Skin Blossom é um creme rico e facilmente absorvido, deixando as mãos cuidadas e hidratadas. Enriquecido com manteiga de cacau, óleo de abacate e manteiga de Karité, tem fragrância a rosa gerânio e é adequado para todos os tipos de pele, incluindo as mais sensíveis.

Elaborado com 98,85% de ingredientes naturais e 87% de ingredientes orgânicos, certificados pelos padrões de higiene corporal da Soil Association. É também um produto vegan registado na Vegan Society. Com uma embalagem de plástico reciclável, é fabricado no Reino Unido.


Ingredientes:
Aqua (Water),  Theobroma Cacao (Cocoa) Seed Butter*, Butyrospermum Parkii (Shea) Butter*, Glyceryl Stearate SE, Isopropyl Myristate, Stearic Acid, Persea Gratissima (Avocado) Oil*, Prunus Amygdalus Dulcis (Almond) Oil*, Glycerin*, Dehydroacetic Acid, Benzyl Alcohol, Aloe Barbadensis (Aloe Vera) Leaf Juice Powder*, Perlargonium Graveolens (Rose Geranium) Flower Oil*, Tocopherol (Vitamin E), Sodium Benzoate (*Certified as Organically grown).

...

Como home chef, as minhas mãos são a parte do meu corpo que mais sofre ao fim de um dia de trabalho na cozinha. O contacto constante com a água torna-as bastante secas, sendo por isso muito importante mantê-las hidratadas ao longo do dia, com um creme eficaz para mãos.

Com o Skin Blossom, o resultado é visível logo após a primeira utilização, hidratando as mãos e deixando-as prontas para mais uma batalha na cozinha. Além disso, tem um aroma muito agradável.

Este creme é bastante concentrado, pelo que basta aplicar uma pequena quantidade para obter os resultados desejados.

Para adquirir o creme para mãos Skin Blossom, clique aqui.

O Gengibre, a cozinha Asiática e novas Experiências Culinárias



Esta semana continuamos a viajar entre receitas asiáticas, aromatizadas, leves e saborosas!

Primeiro falemos do gengibre, um dos principais ingredientes da cozinha asiática, e que faz toda a diferença na confeção deste tipo de pratos.

O gengibre ou raiz de gengibre é uma planta herbácea da família das Zingiberaceae, originária da ilha de Java, da Índia e da China. É geralmente cultivado em climas tropicais e popular pelas suas características raízes picantes e fortemente aromáticas.

Durante séculos, tem sido usado como um remédio natural para inúmeras doenças. Estudos científicos têm vindo a descobrir as maravilhas do seu uso no tratamento e prevenção de várias doenças.
Segundo a Medicina Tradicional Chinesa, é utilizado para promover a circulação de energia no organismo. Actua também como estimulante em casos de debilidade. Tem propriedades anti-espasmódicas, expectorantes e estomáticas. Devido ao seu poder antioxidante e anti-inflamatório, ajuda a fortalecer o sistema imunitário.

O uso do Gengibre na culinária:

De sabor levemente picante e bastante aromatizado, pode ser usado tanto em pratos salgados como doces.
Pode ser utilizado como condimento na confeção de vegetais, tofu, seitan, entre tantas outras iguarias.
Fresco, seco, em conserva ou cristalizado, são inúmeras as formas de o usar na cozinha.

Na receita de hoje, usei gengibre fresco e ralado, que adicionou um toque verdadeiramente fresco e aromático ao prato.












Cogumelos Shiitake e Vegetais salteados em Gengibre, Grelos de Couve e Arroz de Jasmim Tailandês | Thai Jasmin Rice with stir-fry Shiitake mushrooms and vegetables 

Ingredientes 
(4 pessoas)

-Cogumelos Shiitake e Vegetais salteados em Gengibre
1 colher de sopa de Óleo de Amendoim
1 colher de sopa de Gengibre fresco ralado
2 dentes de Alho, esmagados e picados
2 Cenouras, descascadas e picadas grosseiramente
2 Alho Francês, em rodelas
300 gramas de mistura de Rebentos Germinados e Cenoura (em vinagre)
300 gramas de Cogumelos Shiitake, cortados em fatias
4 colheres de sopa de Molho de Soja
1 colher de sopa de Óleo de Sésamo Tostado
1 Malagueta Vermelha, sem sementes e picada (para guarnecer)
1 Cebola picada (para guarnecer)
1 Clementina cortada em pequenos gomos (para guarnecer)
Folhas de Coentros frescos (para guarnecer)

-Grelos de Couve salteados
1 molho grande de Grelos de Couve
4 dentes de Alho, esmagados e picados finamente
Azeite extra virgem q.b.
Sal marinho q.b.

-Arroz de Jasmim Tailandês
1 chávena de Arroz Jasmim
2 chávenas de Água
Sal Marinho q.b.




Preparação:

Cogumelos Shiitake e Vegetais salteados em Gengibre
Aquecer uma wok em lume alto e adicionar o óleo de amendoim. Saltea o gengibre e o alho até ficar com uma tonalidade dourada. Juntar as cenouras e saltear, cerca de 2 minutos, até se apresentarem macias. Acrescentar os rebentos germinados e a cenoura em vinagre, o alho francês e os cogumelos Shiitake e saltear por mais 1 ou 2 minutos.
Temperar com o molho de soja e com o óleo de sésamo tostado e mexer bem. Desligar o lume.

Guarnecer com a cebola e a malagueta picada. Juntar os gomos da clementina e coentros frescos.

Grelos de Couve salteados
Cozer os grelos com uma pitada de sal marinho num tacho com água a ferver, durante aproximadamente 10 minutos, até ficarem tenros. Coar a água da cozedura e reservar.

Aquecer uma wok em lume alto e regar com um pouco de azeite extra virgem. Adicionar os alhos e saltear ligeiramente. Acrescentar os grelos de couve e saltear, com cuidado para não queimar o alho (baixar o lume, se necessário).

Arroz de Jasmim Tailandês
Cozer o arroz em duas chávenas de água a ferver. Temperar com uma pitada de sal marinho e cozer cerca de 10 a 12 minutos. Tapar o tacho e deixar descansar uns minutos antes de servir.


Cogumelos salteados ao estilo chinês e Espinafres com alho | Stir-fry Mushrooms Chinese Style with Garlic Spinach



O novo ano brindou-me com uma constipação, há três dias atrás. Sendo que geralmente só me constipo uma vez no ano, espero que tenha sido a primeira e a última de 2014!

Como não sou adepta do uso de medicamentos quando estes não são estritamente necessários, a minha segunda feira foi passada entre mantas no sofá, com muitos chás quentes de Equinácea, sumos de Laranjas, Cenouras e Beterrabas, sopas e principalmente muito descanso. Resultados à vista, na terça-feira já estava bastante melhor, mas ainda assim passei o dia em casa, para me certificar que o maldito vírus ia para longe de vez e não voltava mais.

Aproveitei que as minhas forças já estavam quase restabelecidas na sua totalidade, para me dedicar a novas aventuras na cozinha, durante a tarde de terça-feira. Ok, confesso que tive de sair para comprar um ou outro ingrediente que me faltava para preparar o que queria, mas fui num pé e voltei no outro!

Na noite anterior, às voltas na cama sem conseguir dormir (maldita constipação!), pus-me a ver um programa de culinária na televisão, dedicado à cozinha chinesa. Como assumida fã da cozinha oriental, tirei umas notas e passei a noite quase em branco a pensar no que queria fazer no dia seguinte. Sim, a constipação também ajudou, mas acreditem que a vontade de me enfiar na cozinha às 2h da madrugada a cozinhar era muita!



No  dia seguinte, já com os ingredientes todos a postos, dei uso à minha wok e preparei uns Cogumelos salteados ao verdadeiro estilo chinês e uns Espinafres com alho, também eles salteados na wok.

O que demora mais na confeção deste prato é a preparação de todos os ingredientes, porque de resto saltear na wok é bastante rápido.


Cogumelos salteado ao estilo chinês e Espinafres com alho | Stir-fry Mushrooms Chinese Style with Garlic Spinach

Ingredientes 
(2 pessoas)

-Salteado de Cogumelos
1 colher de sopa de Óleo de Amendoim
5 dentes de Alho, esmagados e picados
1 pequeno pedaço de Gengibre, sem pele e cortado em fatias finas e pequenas
350 gramas de Cogumelos frescos, cortados em generosas fatias
1/4 de chávena de Molho de Soja
1/4 de chávena de Vinagre de Arroz
1/4 de chávena de Óleo de Sésamo Tostado
1 colher de sopa de Açúcar Amarelo
1 mão cheia pequena de folhas de Manjericão fresco
1 Malagueta vermelha, sem sementes e cortada em aneis finos, para guarnecer

-Salteado de Espinafres
1 colher de sopa de Óleo de Amendoim
2 dentes de Alho, esmagados e picados
1 saco de Espinafres biológicos
1 pequena porção de Água fresca
Uma pitada de Sal Marinho



Preparação:

Salteado de Cogumelos
Colocar a wok em lume alto e adicionar o óleo de amendoim. Quando o óleo aquecer, adicionar o alho e o gengibre e saltear rapidamente por alguns minutos. De seguida, colocar os cogumelos e esperar alguns segundos antes de mexer, por 2 ou 3 minutos, até escurecer os cogumelos.

Adicionar o molho de soja, o vinagre de arroz e o óleo de sésamo tostado; reduzir o lume para médio e cozinhar por aproximadamente mais 6 minutos. Mexer bem com uma colher de pau e juntar o açúcar amarelo. Deixar levantar fervura e reduzir o lume para médio baixo e mexer até o molho de apresentar consistente e os cogumelos estarem bem cozinhados (cerca de 5 minutos). Desligar o lume, adicionar algumas das folhas de manjericão e deixar que elas murchem ligeiramente.

Com uma colher, retirar os cogumelos para um prato fundo e guarnecer com as restantes folhas de manjericão e a malagueta.

Salteado de Espinafres
Colocar a wok em lume alto e adicionar o óleo de amendoim. Juntar o alho e mexer até este se apresentar com uma textura ligeiramente crocante. Adicionar as folhas de espinafres e mexer com cuidado com uns pauzinhos de madeira, de forma a não partir os espinafres.  Adicionar uma pequena porção de água para criar vapor e deixar cozinhar por 2 ou 3 minutos.

Nota
Nesta receita, é importante usar óleo de sésamo tostado, que reduz a cozedura, enquanto que o óleo de sésamo puro não reduz ou engrossa o salteado. O resultado final do prato deve ser ligeiramente pegajoso.

Este prato fica bem acompanhado com um simples arroz jasmim cozido.

A Quinoa, a Beterraba e um presente de Natal muito especial!


No dia 24 de Dezembro recebi um presente de Natal muito especial... Uma reportagem para o programa Economia Verde, da SIC Notícias! :)

Passados seis meses desde o início deste projeto, que hoje preenche os meus dias a 100%, com muito amor e dedicação e largas horas passadas entre tachos, sinto que dei mais um passo em frente... Tenho o coração a transbordar de felicidade e sinto muito orgulho em ver A Cozinha Verde ser reconhecida. Afinal de contas, é a minha cozinha... :)

Quero agradecer especialmente às marcas que tornaram este momento possível, para mim tão especial e com tanto significado.

Ao Celeiro, pelo lindo cabaz de produtos biológicos e 100% de origem vegetal, onde se destacou a Quinoa, a rainha deste prato!




À Life in a Bag, pelos Microvegetais de Beterraba, que deram o verdadeiro toque de "chef" no final!



À Margão, pelas pimentas que não dispenso!



Ao Poiso da Abelha, pelo cabaz de vegetais biológicos, e pelas fantásticas Beterrabas que tanto adoro!



À Lush, pelo lenço feito a partir de garrafas de plástico recicladas (o Knot Wrap) que serviu para embrulhar a refeição no final, e por todos os mimos cruelty-free com que presenteou a cozinheira. :)




Ao Efeito Verde, pelos detergentes ecológicos da faith in nature, não testados em animais e 100% de origem vegetal, que deixaram A Cozinha Verde a brilhar!



Segue o vídeo da reportagem:




Neste dia, a Salada Outonal de Quinoa e Beterraba foi a protagonista, e por isso partilho hoje com vocês esta receita, deliciosa e diferente, para surpreenderem os vossos amigos aí por casa!


Salada Outonal de Quinoa e Beterraba
Sem glúten

Ingredientes biológicos
(serve 4 pessoas)
1 chávena de Quinoa
2 beterrabas
2 cenouras
1 cebola
3 dentes de alho
3 tomates maduros
1 alho francês
Azeite extra virgem
Tomilho
Sal marinho com especiarias
Pimenta preta moída na hora
Pimenta branca moída na hora
1 mão cheia de microvegetais de beterraba, colhidos na hora
Sementes de chia


Preparação:
Cozer a quinoa em dobro da água (duas chávenas), com uma pitada de sal marinho com especiarias. Reservar.

Refogar em azeite extra virgem a cebola e os alhos picados. Adicionar os tomates, cortados em pedaços pequenos, e temperar com sal marinho com especiarias. Acrescentar as beterrabas e as cenouras raladas e o alho francês fatiado.

Temperar com tomilho, pimenta preta e pimenta branca e cozinhar cerca de 2 minutos.

Acrescentar a quinoa previamente cozida e envolver. Desligar o lume.

Colher uma mão cheia de microvegetais de beterraba e adicionar. Para finalizar, polvilhar com sementes de chia.

Servir quente ou à temperatura ambiente.