Bolo Natural de Cacau



























Sem glúten, sem açúcar, sem farinha
Rende 1 bolo com cerca de 15 fatias
Tempo de preparação: 90 minutos

Ingredientes
3 cups (chávenas) de amêndoas e cajus sem sal triturados
1/2 cup (chávena) de cacau cru em pó
2 colheres de chá de fermento sem glúten
2 bananas maduras
1 vagem de baunilha
1/2 cup (chávena) de óleo de girassol não refinado, prensado a frio (ou óleo de coco)
1/2 cup (chávena) de leite de amêndoas natural (não açucarado)
5 colheres de sopa de Geleia de Arroz

Como preparar:

Pré-aquecer o forno a 180º.

Num processador de alimentos/robot de cozinha, triturar as amêndoas e os cajus durante uns minutos.

Numa taça grande, misturar esta farinha de amêndoas e cajus com o cacau e o fermento.

Esmagar as bananas e juntar à taça, juntamente com o óleo de girassol ou de coco, o leite de amêndoas, a geleia de arroz e as sementes da vagem de baunilha (para retirar as sementes fazer um corte longitudinal na vagem e raspar as sementes do seu interior). Mexer bem com uma vara de arames.

Forrar uma forma redonda com papel vegetal e deitar a massa na forma. Levar ao forno cerca de 40 minutos ou até um palito sair limpo.

Deixar arrefecer bem antes de desenformar. Reservar.


Para a cobertura:

1 cup (chávena) de tâmaras biológicas, previamente demolhadas durante algumas horas
1/4 cup (chávena) de cacau cru em pó
1/2 cup (chávena) de água fresca
1 colher de sopa de geleia de arroz (opcional)

Bater todos os ingredientes num processador de alimentos/robot de cozinha até obter uma textura cremosa. Reservar.


Finalização e decoração:

Com a ajuda de uma espátula espalhar a cobertura sobre o bolo. Decorar com frutos vermelhos e amêndoas picadas grosseiramente.




Vai atrás daquilo que te faz feliz






































Por vezes é difícil aceitar que o caminho que escolhemos não era o melhor para nós. A verdade é que me fui apercebendo ao longo dos 5 anos em que trabalhei em auditoria, que aquilo não me preenchia, não me realizava nem acrescentava algo mais à minha vida.

Sempre tive muitos sonhos, sonhos esses que estiveram hipotecados durante tanto tempo, pura e simplesmente por uma questão de comodismo e estabilidade. Porque tinha um salário certo ao final do mês, e principalmente porque era mais fácil não arriscar.

Mas o meu desejo sempre foi trabalhar por conta própria, criar algo meu, algo que tivesse realmente significado para mim, e que de alguma forma contribuísse para melhor a vida dos outros. Nunca senti isso na área financeira.

O veganismo foi para mim o impulso para ir atrás dos meus sonhos. Comecei a desejar partilhar aquilo que estava a viver com outras pessoas e a inspirá-las de alguma forma. Daí até criar A Cozinha Verde foi um passo. Encontrei o meu propósito de vida e lutei por ele. Tão simples quanto isto.

A minha rotina mudou drasticamente. Aprendi a trabalhar sozinha. Pelo facto de trabalhar muito a partir de casa, aprendi a organizar-me e a gerir da melhor forma o meu tempo.
Aprendi a não ter horários certos e a ter auto-disciplina. Aprendi a controlar a ansiedade e a aceitar a imprevisibilidade do meu trabalho.

Nada disto seria possível se não gostasse verdadeiramente do que faço. Se não vibrasse a todo o momento com isto. Se não sorrisse todos os dias pelas palavras bonitas e sentidas que ouço das pessoas que vou conhecendo nos workshops, que me fazem encomendas ou que me enviam mensagens e e-mails a pedir-me ajuda. 

Sinto que estou a fazer a diferença na vida de alguém. E por isso, tudo isto vale a pena.